Só para lembrar: idosos têm de ser tratados como adultos

Só para lembrar: idosos têm de ser tratados como adultos

Com a proximidade da Páscoa, lembro-me de ver pessoas de apenas 70 e poucos anos ter orelhas de coelho colocadas em suas cabeças em uma ILPI (Instituições de Longa Permanência para Idosos). A cena era tragicômica, deprimente mesmo, a despeito de os funcionários da Casa de Repouso só pretenderem comemorar a data (na imagem, a mulher colocou orelhas de Shrek porque quis). Também vi, numa tarde de recreação, eles darem para os idosos colorir um…

Leia mais ...

Minha estranha fórmula de felicidade: casar com o ex

Minha estranha fórmula de felicidade: casar com o ex

Dia 17 de agosto de 2019 comemoro meu primeiro aniversário de casamento, selado aos 50 anos, depois de ter casado com o mesmo homem mais de uma década atrás (foto). Deixa eu explicar essa história inusitada! Há mais de 18 anos vivo um romance internacional que começou em Cuba, aonde fui no ano 2000, pela segunda vez, graças a uma ajuda da universidade espanhola na qual fazia meu doutorado. A instituição pagou a estada na…

Leia mais ...

Comemore aniversários: crie memórias positivas e minimize mágoas

Comemore aniversários: crie memórias positivas e minimize mágoas

Como se não bastasse o inferno astral e a crise da meia idade, a proximidade do meu 50º aniversário, em 2018, encheu-me de dúvidas. Faço festa? Organizo tudo ou contrato equipe? Neste caso, gastaria as economias da viagem… Valeria mesmo a pena torrar grana para reunir família e amigos?  DJ é básico para animar a galera, seria caro? Elaborar uma lista de convidados exigiria jogo de cintura, sem falar que muitas pessoas não iriam  (apesar de…

Leia mais ...

Viaje depois dos 60, 70, 80…

Viaje depois dos 60, 70, 80…

Nada me ensina mais na vida do que viajar. Não houve doutorado nem ninguém que me aportasse tanto quanto ter estado em 70 países (aproximadamente), pouco se comparado aos mais de 100 conhecidos pelo meu pai, Wilmar Dallanhol. Com um detalhe importante: ele viaja a bordo de sua cadeira de rodas. Meu pai foi comemorar na França seu 78º aniversário e o 80º da minha mãe, Olga Maria. Confesso que temi por quedas, mas eles…

Leia mais ...

Com jeito vai: não abandono atividades à primeira dorzinha

Com jeito vai: não abandono atividades à primeira dorzinha

Foi só eu fazer 50 anos, em 2018, e começaram as pequenas limitações físicas. Nada grave,  mas se somadas,  configuram indícios de envelhecimento, este processo irreversível que inicia bem antes dos 60, idade em que a legislação brasileira insiste em tachar o indivíduo maduro de idoso. (Eu questiono, e prefiro o modelo italiano, que rotula de idoso só quem passou dos 75). Retomando a choradeira: com meio século de idade,  pela primeira vez fui ao…

Leia mais ...
1 2